BlogBlogs.Com.Br

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Para contar mais do que aconteceu...

Várias pessoas que leram o post publicado na blogagem coletiva de aniversário do blog da Elaine, manifestaram que gostariam de saber o porque de eu ter sido careca na minha infância.

É quase automático que na mente venha de primeira o pensamento: quimioterapia. Mas não foi isso, graças a Deus!

Para chegar lá, acho que preciso expor o contexto em que eu vivia, e o caminho percorrido até descobrir a verdadeira causa. Então, vamos lá.

Quando eu completei 5 anos de idade, meus pais já não se suportavam mais. Brigas intermináveis, lágrimas de minha mãe no escuro tentando se esconder de mim e da minha irmã mais velha, meu pai quase não aparecia mais em casa porque estava com sua amante (minha madrasta), e eu sentindo um peso gigantesco dentro de mim: amava meu pai, idolatrava-o... Mas também daria minha vida por minha mãe.


A esta altura, eu já era banguela por uma coisa a toa: com 2 anos aprendendo a andar, meu avô paterno brincando comigo em seu quarto, me fez andar até ele e eu caí de boca na cabeceira de uma cama de madeira maciça. A arcada traumatizou, perdi os dentinhos de leite, e só voltei a ter dentes quando os permanentes nasceram aos 7 anos de idade.

Bom, continuando... Quando a situação dos meus pais ficou mais complicada, comecei a perder cabelos. Perdia tufos de cabelo, e começou a correria aos consultórios. Eu ia aos médicos praticamente todos os dias, quase toda a família se revezou para me levar nas consultas, e eu sempre daquele meu jeitinho: não chorava, não berrava, não perguntava o por que, simplesmente ia e brincava no meu mundinho.

Passei por vários exames, o que mais pediam era exame de sangue, e minha avó materna sempre me lembra de certa vez em que eu disse para ela: "vó, eu vou acabar ficando sem sangue desse jeito!". E os médicos não descobriam a causa.

Me consultei com médicos em MG que disseram que eu era alérgica a gatos, e por isso eu estava careca, e lá se foi minha gata chamada Meggie que eu amava, e por muito tempo fui privada dos meus bichanos. Minha mãe me levou também em MG, a um pai de santo que me benzeu e disse que era olho gordo. Apesar de eu ser da Umbanda hoje, sei que ele estava errado.

Continuamos na luta com os médicos, e uma dermatologista disse que se tratava de "alopécia", uma doença dermatológica que causa a perda de todos os pêlos do corpo. O tratamento era um tipo de ácido que se aplicava diretamente nas regiões afetadas, e queimava demais! Mas eu não chorava, só sofria calada. O remédio fez o cabelo crescer sim, para depois cair de novo.

Então, já com 6 anos de idade, meus pais finalmente se separaram, e surgiu a idéia de que poderia ser trauma psicológico pelo que acontecia em casa. Fui eu passar por várias sessões com a psicóloga, que era muito legal comigo, e me lembro que detestei no dia em que chegou a hora de sentar meus pais na mesma sala que eu, para me ajudarem. Não ajudaram. Eles chegaram ao ponto da mágoa, em que se detesta um ao outro, e não conseguiam prestar atenção em mim, só na presença deles próprios. Enfim, não resolveu.


Minha mãe se mudou para a casa do meu padrasto e nos levou com ela (minha irmã mais velha e eu). Neste dia, eu chorei. Chorei porque ficaria longe do meu pai, porque ficaria longe dos meus avós, porque eu nem conhecia direito aquele homem. Mas eu passaria a conhecer.

Meu padrasto incluiu em seu convênio particular eu e minha irmã, e foi nesta época que alguém sugeriu que minha mãe me levasse ao endocrinologista. Na época pensava-se "qual a relação de uma coisa e outra?" mas seja lá quem foi que deu esta sugestão, estava certo.

O médico muito experiente, detectou no exame físico que eu era portadora de deficiência da glândula tireóide, mas os exames de sangue não apontavam nada. Persistimos em outros tipos de exame, mais caros e detalhados, e houve a confirmação: hipotireoidismo.

O hipotireoidismo é um dos tipos de disfunção da glândula tireóide que existe, e é um dos mais graves. Neste caso, é como se a glândula não existisse no corpo, ela não funciona. E por isso é necessário tomar medicação por toda a vida, que fará aquilo que a glândula deveria fazer.

Quando o hipotireodismo atinge o auge de sua deficiência, agride o corpo de diversas formas, e uma delas é a queda de cabelo e pêlos do corpo. Existem outras como gerar cistos e até nódulos no pescoço (que podem ocasionar câncer), olhos saltados, rosto e lábios inchados, obesidade (mesmo quando é tratada), etc.

Hoje é possível identificar se as crianças possuem deficiência na glândula tireóide através do exame do pézinho, mas há 26 anos quando eu nasci, este exame ainda não existia e os médicos pouco conheciam as consequencias da disfunção de tireóide não tratada.


Depois de um ano de tratamento via oral, e aplicações de medicamento no couro cabeludo (injeção na cabeça não dói muito, só dá aflição de sentir o medicamento correr nas veias), meu cabelo voltou a crescer e as sombrancelhas também (graças a Deus não precisei de aplicação nessa região).

Aos 7 anos e meio, eu tirei o chapéu e boné pela primeira vez desde os 5, e meus dentes nasceram nesta época. Eu me lembro de estar caminhando na rua ao lado de minha mãe, e ela dizendo: "pode tirar o boné filha, não tem mais nada para esconder". E eu com medo de que não fosse verdade, apalpei toda minha cabeça para ter certeza de que não havia mais nenhum cantinho sem cabelos.

Daí em diante, eu precisei re-aprender a pentear os cabelos, e minha mãe vivia me dando bronca por causa das buchas que tinha que desembaraçar!

Meu avô paterno às vezes ainda pergunta se meus cabelos caíram novamente... E com prazer eu respondo: "Não vovô. Meus cabelos nunca mais caíram, estão firmes e fortes, e ganhando elogios!".


15 Originalidades compartilhadas por aqui:

Olhos e pensamentos disse...

Que lindaaa é vc..que coisa, essa sua historia...imagino o quanto deve ter sido dificil pra sua mãe tambem até descobrirem o problema...mais uma vez eu digo, vc é linda mesmo

Raquel Cecília disse...

Obrigada Lu! =^^=

Realmente não deve ter sido fácil para a minha mãe principalmente, mas ela é guerreira, até hoje! =D

Obrigada por estar sempre por aqui!

Bjinhu

A Madrasta Má disse...

Entendido então e vc é lindona Raquel! Obrigada pelo carinho! Gostaria de lhe oferecer o selo de blog enteado em comemoração ao 1º aninho do meu blog, ainda tem uma promoção que dá tempo de dar uma mordidinha, vá em:

http://amadrastama.blogspot.com/2009/09/promocao-uhuuuuuuuuuuuuuu.html

Bjinhos da Madrasta!

Uma Mulher de Fases disse...

Raquel, agora tá tudo entendido!
Como é da Umbanda, sabe que temos que passar por algumas situações pra aprender, afinal estamos aqui todos no mesmo barco, pra aprender e evoluir!
Adorei a história, não que seja uma história feliz, mas fez parte de você e com certeza compõe a pessoa que é hoje!
Lindos os teus cabelos! Fico arrepiada quando leio uma história de superação!
Pronto, agora já te conheço melhor!
Beijos e até a minha volta!!

Raquel Cecília disse...

Obrigada meninas, fico lisonjeada com os elogios! =^^=

Madrasta, eu já estou na promoção, sou a número 2. E agradeço demais o selo!

Sheila, obrigada pelas palavras amigas, e aproveite o tempo de descanso!

Bjinhuuuus

Ivana disse...

Raquel, que história, mulé!!! Sabes que eu tb pensei que tivesses sido careca por quimio... Menina, que loucura... Pra tu veres que separação é coisa séria na vida da criança... Sei bem como é isso, RAquel. Mas o que me impressiona mais, é como os pais chegam a tal ponto do egoísmo, que são imcapazes de se unir pelo filho. Puta merda! (sorry)
Mas que bom que superastes tudo! E olha, és LINDA! Lindona mesmo! Por dentro e por fora!
Beios!

Elaine disse...

Raquel,
Primeiro quero dizer que ficou linda tua assinatura! No fim deu certo, né?
Quanto à estória: chorei de novo, como já havia chorado antes...
Isso só confirma que você é material do bom para posts legais...
Beijos.
E você é mesmo muito bonita. Cabelão, hein?

Raquel Cecília disse...

Ivana, não tem nada demais não, fica a vontade! rsrs Pois é, infelizmente eles eram muito novos e não souberam lidar com aquilo muito bem... Mas hoje encaro tudo como uma lição de vida. =^^=

Elaine, deu certo porque meu amigo que trabalha com criação de sites fez para mim! hehehe Poxa, eu não quero te fazer chorar não, mas obrigada por se interessar por minha história! Ah... E obrigada pelo elogio, vou acabar ficando mal acostumada assim! =^^=

Bjo no coração meninas!

Renata Nogueira disse...

Raquel, seu blog é rapidinho e muito bom!!rs
Fica tranquila!
Beijão

Tyna disse...

Menina.. vc é linda...e vitoriosa!

Beijos

Colegiado de disse...

Oi, querida!
Li este post antes de ler a sua "cartinha" (ainda não li) e ele já me ajudou muito.
Eu também tenho hipotireoidismo, (história comprida também), e lembrei que tem tempo que não faço a dosagem do TSH, e meus cabelos estão caindo que é um horror!

Vou providenciar uma visitinha ao endócrino... obrigada!!!

Bjo!

Bel disse...

Ops! Estava logada na conta do trabalho... o comentário acima é meu!

A Magia da Noite disse...

a vida é uma aprendizagem constante, viver não custa, é preciso é saber viver.

A Madrasta Má disse...

Olá, confira seu número para o sorteio da promoção "Mulheres por que será que elas?" que será relizado hoje! Aproveitando tem presentinho para você lá no blog, obrigada pois com a sua linda participação a minha felicidade foi completa! boa sorte e bjinhos da Madrasta!

Cynthia Santos disse...

Menina, que história!
Não sei se eu teria a mesma força que você... parabéns pela vitória!!!
E obrigada por me linkar, estou linkando você também!
Beijos!!